Rastreador: boa opção para proteção de motos

De janeiro de 2016 a janeiro de 2017, o Rio de Janeiro registrou mais de 45,9 mil roubos de motos e carros. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP-RJ), a delegacia de Vilar dos Teles, em São João de Meriti, foi a que mais registrou roubos de veículos no período. Foram 2.950 casos. O número é alarmante. Em comparação com o mesmo período do ano anterior, o volume de ocorrências desse tipo de crime cresceu 29,23%. Com esse cenário de violência, o rastreador veicular ganhou espaço no mercado.

Já os motociclistas da “cidade maravilhosa” precisam ficar de olhos bem abertos: no período referido, o número de roubos a motos no Rio aumentou 21% em relação a 2016. Ou seja: mais de 4 mil motos foram roubadas. Em função disso, os seguros para motos aumentaram exponencialmente e muitos motociclistas passaram a circular sem seguro e com medo.

Mais vulneráveis e com os preços do seguro impraticáveis, os proprietários de motos procuraram uma forma mais econômica e acessível para proteção das motocicletas: os rastreadores de motos. Os rastreadores oferecem uma solução mais barata e bastante eficaz. O rastreamento vai além da localização em caso de roubo ou furto. Além da recuperação em caso de sinistro, o dono pode acompanhar todo um histórico de movimentação da motocicleta.

Rastreador Opensat: um diferencial

A OpenSat está no mercado com um sistema de rastreador que não deixa sinais aparentes na sua moto, não interfere na eletrônica e nem corta seus chicotes originais. Assim você não perde a garantia original da sua moto. Ao ter sua moto roubada ou furtada, basta entrar em contato com a central de atendimento que uma equipe especializada entra em ação rapidamente para bloquear e localizar a motocicleta.

Gostou? No site da Opensat você confere todas as informações e pode solicitar o seu orçamento.

Fonte: G1Revista Exame e Opensat

Compartilhar:

Nathália Emerick